Já antes do famoso caso do Cambridge Analytica envolvendo o Facebook, existiram muitas situações de fuga ou manipulação de dados relacionados com as vidas sociais de milhões de utilizadores.

 

O movimento #deleteFacebook apela em várias outras redes sociais que se elimine a conta social de cada um e se deixe de usar o Facebook como forma de protesto às suas políticas.

Não querendo tomar aqui nenhum partido nem nenhuma posição face a este tema, apresento como principal assunto deste artigo a chamada de atenção para a consciência do que de facto se partilha através das redes sociais e ainda qual a extensão e alcance das mesmas.

Exemplo disso é uma campanha de uma financeira Belga, Febelfin lançada há 5 anos mas que se mantém válida à data actual, e na qual se percebe que as pessoas não têm noção nem da forma nem da dimensão em que expõem a sua vida.

Como tal é importante controlarmos e vigiarmos as definições de privacidade e de segurança das contas que temos registadas e que utilizamos.

Existem duas áreas que controlam estas definições:

  • Área para controlo da privacidade da nossa conta na Rede Social
  • Área com a lista de terceiros com autorização de acesso à nossa conta e respectivas permissões cedidas

Na primeira definimos que dados queremos partilhar, com quem queremos partilhar a informação e o que é que pode acontecer a essas partilhas dentro da rede.

Já a segunda diz que aplicações ou redes de terceiros têm autorização para aceder à nossa conta, quais os dados que podem aceder bem como que acções poderão efectuar em nosso nome.

Se fizermos regularmente uma breve inspecção a estas áreas estaremos certamente um pouco mais salvaguardados contra determinadas situações que poderão surgir.

livro-o-ultimo-folego-billboard

Deixo uma lista de ligações directas às áreas de opções para cada uma das redes sociais mais populares de momento.

Facebook
TWITTER
GOOGLE (GOOGLE+)
LinkedIn
Instagram

Na minha opinião o importante é vigiar a actividade das suas contas e as autorizações que delegou a terceiros. Depois de termos a consciência de qual a extensão dos nossos actos de “partilha” então aí poderemos passar a escolher se pretendemos abandonar uma determinada rede social por não ir ao encontro dos nosso princípios e regras de conduta! Lembre-se, prevenir é o melhor remédio! 

Foto de Sticker Mule on Unsplash

Para qualquer dúvida, questão ou eventual correcção que deseje realizar, pode utilizar o espaço de comentários abaixo deste artigo, utilizar a nossa página de contato ou ainda remeter um e-mail para geral [@] hometech-etal.pt

 

partilhar